Delegacia de Repressão a Crimes Rurais atua na orientação dos proprietários e no combate a crimes de roubo e furto de gado em SE

A unidade policial recebeu novos equipamentos que possibilitam o deslocamento das equipes aos locais onde ocorreram os crimes

Com o objetivo de combater os crimes no âmbito das propriedades rurais, como furto ou roubo de gado e violência contra os proprietários e funcionários do setor primário, foi criada a Delegacia de Repressão a Crimes Rurais em Sergipe. A unidade da Polícia Civil já está em funcionamento e vem atuando na conscientização dos produtores sobre a importância da denúncia para a elucidação dos crimes, localização de suspeitos de investidas criminosas na Zona Rural e devolução de bens subtraídos das propriedades. Segundo pesquisa feita pela Federação de Agricultura e Pecuária de Sergipe (Faese), 44% dos proprietários de áreas rurais não comunicam os fatos criminosos à polícia.

Diante desse cenário, a Polícia Civil criou a Delegacia de Repressão a Crimes Rurais em Sergipe, que fica localizada no bairro Capucho, no mesmo prédio onde funciona a 8ª Delegacia Metropolitana (8ª DM), na Zona Oeste de Aracaju. A unidade policial vem atuando na conscientização dos produtores rurais sobre a importância de fornecer informações sobre ações criminosas na Zona Rural, de modo a auxiliar a atuação da Polícia Militar, nas rondas e abordagens, e também subsidiar as investigações, que podem resultar em operações, para a garantia de segurança no campo.


Como parte do investimento no funcionamento da unidade policial, a Faese entregou equipamentos que irão contribuir ainda mais com a atuação da Delegacia de Repressão a Crimes Rurais. Na manhã desta terça-feira, 2, a Faese fez a entrega de dois notebooks e duas impressoras, que serão utilizados nas atividades da delegacia. O presidente do sistema Fese/Senar, Ivan Sobral, destacou que a parceria é fundamental para o combate aos crimes em propriedades rurais, propiciando a segurança necessária para que os produtores continuem fornecendo alimentos à população.

“Nós montamos uma parceria com a SSP, no início da criação dessa delegacia, no sentido de auxiliar o produtor rural, que está afastado, produzindo alimentos e acaba sendo alvo de grupos criminosos. Atentos a essa questão, nós solicitamos a criação da delegacia e, agora, temos a contribuição do sistema Faese/Senar, onde fazemos a doação dos equipamentos que vão colaborar com a repressão de crimes na Zona Rural”, enfatizou.

Ivan Sobral ressaltou que a pesquisa feita pela Faese mapeou a situação dos produtores rurais com o foco de fornecer subsídios ao trabalho da segurança pública no combate à criminalidade nas propriedades rurais. Segundo o levantamento feito pela instituição, as ocorrências mais comuns, no âmbito da violência patrimonial, são as de roubo ou furto em residência, de animais e de equipamentos, objetos e utensílios que são utilizados na produção rural. Já no tocante à violência pessoal, os casos mais recorrentes são os de ameaça e agressão física.

“Colhemos diversas informações junto ao produtor rural e traçamos esse perfil para colaborar com a SSP, no sentido de fornecer informações para contribuir com a Delegacia de Repressão a Crimes Rurais. Nossa intenção é de que nossos dados colaborem na desarticulação de grupos criminosos em todo o estado para que o ambiente na zona rural seja o melhor possível para a produção de alimentos”, complementou o presidente do sistema Faese/Senar.

O delegado Fernando Melo também ressaltou a relevância da parceria com a Faese no combate à criminalidade contra as propriedades rurais. Com a entrega dos equipamentos, a unidade policial fica ainda mais próxima dos produtores rurais, pois as equipes poderão se deslocar à localidade onde ocorreu a investida criminosa e colher mais informações sobre os autores do crime. “Com essa parceria com a Faese, irá facilitar ainda mais o trabalho. O funcionário ou produtor não precisará mais vir à delegacia, a unidade policial vai ao local do crime conversar com as testemunhas e colher informações, com a maior riqueza de detalhes, e efetivamente combater os crimes”, reiterou.

O delegado mencionou ainda que a unidade policial também está focada na orientação dos proprietários rurais a fim de que sejam registrados os boletins de ocorrência, que irão contribuir com o mapeamento das ocorrências e melhoria no tempo resposta das ações e operações policiais na Zona Rural. A Delegacia de Repressão a Crimes Rurais também está fornecendo orientações sobre o Disque-Denúncia (181) e realizará palestras, junto à distribuição de panfletos e cartazes sobre a importância da denúncia à polícia.

“Diversas operações estão sendo montadas pela Delegacia de Repressão a Crimes Rurais e alguns grupos criminosos já estão sendo monitorados. As denúncias podem ser feitas pelo Disque-Denúncia, no telefone 181. O sigilo do denunciante é garantido. Os equipamentos vão facilitar a vida do produtor e dos empregados das unidades rurais. A equipe vai até o local colher as informações para aprofundar a investigação”, pontuou Fernando Melo.

Fonte: SSP/SE

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on skype

RELACIONADOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *